Av. Nossa Senhora de Copacabana, 928 / Gr. 602, Rio de Janeiro - RJ (21) 2545-2599

Os golpes mais aplicados em turistas

Os golpes mais aplicados em turistas

Você sabe ou já caiu em um dos golpes mais aplicados em turistas pelo mundo? Normalmente acontece quando você está de férias, em outra região, relaxado, sem pensar em trabalho, curtindo os momentos com a família e amigos. É justamente aí que entram os oportunistas locais que gostam de aplicar golpes e levar vantagem sobre você. É ruim, mas acontece. Para evitar que esses espertinhos apliquem uma de suas armadilhas, nós listamos abaixo os golpes mais comuns para você não cair em nenhum deles:

Os golpes mais aplicados em turistas

Pulseirinha colorida: Admirando a impressionante catedral de Milão, na Itália, de repente uma pessoa se aproxima e te oferece uma pulserinha e dizendo “it’s a gift!” e amarra a pulseira no seu pulso. Neste caso, este é um golpe já que, depois de amarrar a pulseira em você, ele vai cobrar um dinheiro. Todo cuidado é pouco pois uma variação desse golpe é quando você se distrai com a pulseira enquanto um comparsa furta seus pertences. Locais mais comuns: Paris, Roma, Milão, Barcelona e Cairo.

Romantismo ou golpe do baú?: Atenção casais: uma criança ou um idoso aproxima-se oferecendo uma rosa e caso aceite a flor, o golpista pede dinheiro – o valor costuma ser alto. Normalmente as crianças são usadas por adultos para praticarem este golpe, por isso a dica é: não toque na flor oferecida. Locais mais comuns: Paris, Roma, Barcelona (e Brasil)

Anel da discórdia: Este golpe é praticado de mulheres para mulheres: Uma desconhecida caminhando pela rua perto de você encontra um anel no chão e pergunta se é seu. Você diz que não. Aí, a moça analisa o objeto e conclui que ele é de ouro (mas na verdade não é). Ela vai tentar te vender por um preço baixo para um anel de ouro, mas alto demais para uma falsificação. Local mais comum: Paris

Bebê voador: Esse pode se dizer que é o mais criativo dos golpes: uma pessoa que caminha em sua direção carregando um “bebê” – que na verdade é um boneco – joga-o em cima de você. Enquanto você está em choque segurando o “bebê” em seus braços (sem saber que é um boneco), seus bolsos ou a sua mochila podem estar sendo reviradas. A dica é reparar em quem vem em sua direção e, se perceber algo estranho, desvie sempre que possível. Local mais comum: Roma

Jogo dos copos: Esse já é conhecido de nós brasileiros. Uma mesinha em praça pública, três copos e uma bolinha. Enquanto você se concentra no jogo e se distrai com o mundo ao redor, alguém furta seus objetos. Dica: não pare para ver. Locais mais comuns: Londres e Paris

Carteira no chão: Esse é digno de filme de espionagem: o ladrão coloca uma carteira roubada no meio da calçada. Quando você, instintivamente, apalpa o bolso para certificar de que não é a sua carteira, o ladrão observa e, momentos depois, aproxima-se e te furta. Locais mais comuns: Roma e Ucrânia

Lustre no sapato: Em Sultanahmet, bairro mais turístico de Istambul, um turco usando roupas da época do império otomano pode surgir na sua frente com um kit de engraxate, pedindo para lustrar seus sapatos (mesmo se você estiver usando um All-Star ou um CHINELO). Ele vai falar que o serviço é gratuito, por amizade, mas depois vai cobrar dinheiro. Dica: se você tirar fotos daqueles vestuários exóticos, eles também vão pedir dinheiro. Uma variação do golpe: ele derruba os instrumentos no seu pé enquanto você caminha. É a deixa para ele se oferecer para limpar e, caso você aceite, será cobrado. Locais mais comuns: arredores da Aya Sofia e Mesquita Azul, e praça Taksim, em Istambul, Turquia

Alecrim dourado: Uma senhora com jeito de cigana oferecendo um ramo de alecrim e a leitura da sua mão. Depois de toda a cordialidade, adivinhe? Será cobrado um valor em dinheiro pelos “serviços”. Dica: não aceite alecrim de estranhos. Local mais comum: Madri

Foto roubada: Esse já é mais difícil hoje em dia com a proliferação das selfies: o casal tirando fotos das paisagens e uma pessoa se oferece para tirar a foto e fazer outras. Ao passar a câmera para as mãos do golpista, ele pode pedir dinheiro pela foto ou sair correndo com a sua máquina na mão. Vale lembrar que, apesar dos golpes, há sempre gente boa por aí que podem e gostam de ajudar. Vamos ficar espertos, mas sem entrar em paranóia! Local mais comum: na Europa inteira

Hotel fechado: O turista indica para o taxista o nome do hotel onde pretende se hospedar. O taxista, que recebe comissões de outros hotéis, afirma que o estabelecimento em que o turista fez a reserva está fechado por algum motivo (reforma, férias, vigilância sanitária) e então indica um hotel mais caro. Onde ocorre: países da Europa

Estudantes de inglês: Um grupo de adoráveis moças que estudam inglês aborda um turista desavisado com o pretexto de treinar o idioma com um estrangeiro. No desenrolar da conversa, elas convidam o turista para tomar um café ou comer alguma coisa em um restaurante. Quando a conta chega, elas já deram um jeito de escapulir. Local mais comum: principais cidades da China

Falso delivery: Golpistas distribuem em hotéis cardápios de serviços de entrega de refeições de restaurantes que não existem. O hóspede, ao fazer o pedido, passa os dados do cartão de crédito, mas a entrega, claro, nunca é realizada. O susto – e os transtornos – vem quando ele recebe a fatura no cartão.  Local mais comum: EUA

Petição ou campanha de caridade: Um grupo de jovens pede que o turista assine uma petição em prol de uma causa bem-intencionada e em seguida pede uma contribuição financeira. É claro que a campanha não existe e os valores vão direto para o bolso dos golpistas. Vários desses grupos lançam mão de discursos que apelam para um sentimento de culpa como arma de convencimento. Ou, ainda pior, aproveitam o momento para encobrir comparsas que furtam os turistas. Onde ocorre: em capitais da Europa que recebem muitos visitantes e em cidades da França

O ônibus barato: Em aeroportos distantes, serviços de ônibus oferecem transporte barato para o centro da cidade. Quando as malas são colocadas no compartimento de bagagens, comparsar do motorista escondidos no compartimento abrem as malas e roubam os itens mais valiosos. Em alguns casos, no entanto, o golpe não tem ligação com a empresa fornecedora do serviço. Onde ocorre: Tailândia e Espanha

O taxista fujão: Segundo o justtheflight.co.uk , após receberem o pagamento pela corrida, alguns taxistas vão gentilmente retirar as malas do porta-malas e as entrega apressadamente para o turista que, quando se dá conta, vê o carro indo embora com malas menores que ficaram dentro do carro. Local mais comum: Las Vegas (EUA)

Os falsos policiais: Um grupo de falsos policiais aborda o turista e adverte que foram registrados vários casos de falsificação de dinheiro na área. Pedem então para checar os valores na carteira do forasteiro. Antes de devolver a carteira, aproveitam para subtrair algumas notas. Onde ocorre: México, Romênia, Colômbia e Tailândia

Câmera quebrada: Um grupo de pessoas pede para o turista tirar uma foto delas e lhe entregam uma câmera. Só que o aparelho não funciona. Quando o turista avisa sobre o problema, o grupo o acusa de ter quebrado o equipamento e passa a exigir que ele cubra o “prejuízo”. Onde ocorre: em todos os países.

Post relacionado
Viagens internacionais sem emissão de passaporte

E emissão de passaporte está suspensa no Brasil por tempo indeterminado. A Polícia Federal informou ontem, dia 27 de junho, que a verba para a emissão de passaporte acabou.



Leia mais
Onde o Real vale mais? 10 viagens baratas para brasileiros

Brasileiros que viajam para Europa ou Estados Unidos, por exemplo, onde a moeda brasileira é menos valorizada que a local, não devem saber quais são os países onde o Real vale mais.



Leia mais
Viajar com a família: as melhores opções para cada estilo

Escolher um destino para viajar com a família nas férias não é fácil. Praia ou campo? Metrópoles ou cidades históricas? Na verdade, todas as opções seriam muito bem-vindas, não é? Mas, nem sempre podemos incluir todas em uma viagem só.



Leia mais

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Campos marcados como obrigatório *

cinco × um =