Itália

massas tradicionais italianas

Curiosidades sobre a culinária italiana

Existem muitas curiosidades sobre a culinária italiana. A Itália é um mundo culinário à parte, que pulsa com orgulho suas raízes, bem como suas tradições, as quais podem ser percebidas ao longo de todo o território italiano. Ou seja, a grande questão não é como conhecer a culinária italiana, mas sim, o quanto você conseguirá conhecer ao fazer uma viagem gastronômica pela Itália, que vai muito além da sua autêntica pizza.

Sem dúvida, existe muito a ser abordado e isso faria nosso texto extremamente cansativo. Por isso, neste artigo falaremos de uma forma resumida sobre alguns pontos interessantes da tradicional culinária do país da bota.

Comece a planejar desde já sua viagem gastronômica pela Itália. Temos várias opções de pacotes de viagens, viagens em grupo, cruzeiros e muito mais!

Boa comida

Fora as belezas naturais, pontos turísticos históricos, arte e cultura, sem dúvida a gastronomia é um dos atrativos que mais levam pessoas de fora da Itália para este país europeu. Considerada por muitos como a capital mundial da culinária, a Itália é, de fato, uma arca do tesouro para aqueles que amam uma boa comida.

Se a sua visita ocorrer durante o verão ou primavera, por exemplo, você encontrará os melhores vegetais e frutas. Não deixe de experimentar as doces cerejas de Vignola, cidade que fica na região de Emilia-Romagna. Por outro lado, no outono, acontece um verdadeiro festival de cogumelos. Os mais procurados e apreciados são os da espécie porcini (fungo porcino, na Itália), que invadem os mercados locais e são encontrados em vários pratos culinários.

Nas regiões montanhosas do país, é comum encontrar uma maior variedade de queijos e outros pratos que aquecem o corpo, como por exemplo polentas e carnes cozidas no vinho tinto. As cidades mais famosas, as quais estão sempre no roteiro daqueles que partem em uma viagem gastronômica pela Itália são: Florença, Veneza, Nápoles, Roma, MilãoBolonhaGênova, Parma, Palermo e Cagliari.

 

Uma breve história sobre a autêntica pizza italiana

a verdadeira pizza napolitana
O tomate só foi introduzido na cozinha italiana, bem como nas pizzas, a partir do final do século 18

Sem dúvida, quando pensamos em pizzas e massas, o país logo nos vem à cabeça. Somente na Itália existem mais de 30 mil pizzarias, que juntas ostentam uma produção anual equivalente a 45 pizzas para cada italiano.

A pizza, em sua forma mais básica, possui uma longa história pela região do Mediterrâneo. Diversas culturas antigas, incluindo os gregos e os fenícios, já comiam uma espécie de massa plana, feita de farinha e água. A massa era assada em pedra quente e temperada com ervas. Não era bem o que nós chamamos de pizza hoje, já que se assemelhava mais com uma focaccia. Estas “pizzas primitivas” eram apreciadas desde Roma até o Egito, passando até mesmo pela Babilônia.

Durante a Idade Média, estas pizzas começaram a ganhar um toque mais moderno, em termos de aparência e sabor. Os camponeses começaram a usar os ingredientes que tinham em mãos, e cobriam a massa com azeite de oliva e ervas. Com a introdução do leite de búfalo na Itália, a pizza ganhou uma nova dimensão, já que começava a intensa produção do queijo mozzarella na região. Hoje, o uso da mozzarella de búfala na pizza italiana é absolutamente insubstituível.

O interessante nesta história é que o tomate só foi introduzido na cozinha italiana, bem como nas pizzas, a partir do final do século 18. Antes disso, pensava-se que o fruto era venenoso, e o mesmo era cultivado apenas de modo decorativo. A partir do momento que a população do país implementou o uso do tomate como alimento, sem dúvida a cozinha italiana nunca mais foi a mesma.

O começo das Pizzerias

Ao passo que a popularidade das pizzas aumentava, comerciantes que vendiam pizzas nas ruas, principalmente em Nápoles, começaram a abrir estabelecimentos. Nestes locais, as pessoas podiam até mesmo pedir pizzas customizadas, bem como com coberturas variadas. Em 1830, a Antica Pizzeria Port’Alba, em Nápoles, se tornou a primeira “verdadeira pizzaria”. Atualmente, o estabelecimento, que se orgulha de ter sido a primeira pizzaria do mundo, ainda produz pizzas, as quais são consideradas verdadeiras obras de arte.

Curiosidade: a popular pizza Margherita ganhou este nome em homenagem à rainha Margherita da Itália, que em 1889, visitou a Pizzeria Brandi, também em Nápoles.

Pizza Verace Napoletana

Desde 2010, o estilo de pizza napolitana, ou Pizza Verace Napoletana, como é chamada, é uma especialidade tradicional garantida. Seus ingredientes são controlados e regulados por lei, assim como seu formato, a forma de preparo da massa e corte.

A autêntica pizza italiana, a pizza Margherita, pode ter definido o padrão a ser seguido. Porém, existem diversas outras variedades de pizza atualmente na Itália. As principais são:

  • Pizza Marinara: coberta com orégano, anchovas e bastante alho.
  • Pizza Capricciosa: cogumelos, presunto, alcachofras, azeitonas e ovos.
  • Pizza Pugliese: alcaparras e azeitonas.
  • Pizza Veronese: cogumelos e presunto.

Na Sicília, as coberturas das pizzas também são variadas. Em geral, utiliza-se azeitonas verdes, frutos do mar, ovos cozidos e ervilhas.

Não são muitas as nações que podem dizer que seu “prato nacional” seja um fenômeno mundial. Contudo, na Itália, a pizza se diferencia em duas categorias: pizza italiana e o restante do mundo. Isto pode parecer bobagem, considerando que a pizza é um alimento com ingredientes tão básicos. Entretanto, uma vez que você experimenta a autêntica pizza italiana, nunca mais sentirá o mesmo sabor em nenhum outro lugar.

Curiosidade: desde 1985, o Dia da Pizza é comemorado no dia 10 de julho no Brasil. Obviamente, costumamos comemorar esta data comendo, claro, muita pizza!

Massas tradicionais de cada região da Itália

Obviamente, a culinária italiana não se resume apenas às deliciosas pizzas. A identidade culinária da Itália pode ser um tanto difícil de ser definida. O macarrão, sem dúvida, é parte integrante no que se refere à personalidade gastronômica do país. De fato, o macarrão é uma comida extremamente versátil, que costuma ir bem com praticamente tudo – vegetais, almôndegas, frutos do mar – além de combinar com os mais variados tipos de molho.

Linguine, fettuccine, penne, spaghetti, tortellini… as opções são infinitas. De acordo com especialistas no assunto, hoje existem mais de 600 tipos diferentes de macarrão. Entretanto, as discussões sobre qual tipo de macarrão é o melhor costumam ser bastante acaloradas. Esteja na Europa ou na Ásia, você encontrará amantes de macarrão em todos os lugares.

Cada região do país tem sua própria tradição no que se refere a macarrões e massas em geral, como você pode ver no mapa abaixo, criado pelo site tasteatlas.com:

mapa de massas tradicionais por região da Itália

Um fato bastante curioso é que, como podemos ver no mapa acima, existe uma certa peculiaridade com relação ao Fettuccine Alfredo – um talharim cortado fino (chamado de fettuccine em Roma), envolvido com uma quantidade generosa de manteiga e parmesão ralado fresco. Sem dúvida, é um prato muito famoso e um dos mais pedidos nos restaurantes internacionais. Porém, surpreendentemente, o Fettuccine Alfredo não é nem um pouco popular entre os próprios italianos.

Conta a história que, em 1908, um italiano chamado Alfredo Di Lelio criou este delicioso prato para sua esposa. Alguns anos depois, Alfredo o inseriu no cardápio de seu restaurante em Roma, que era frequentado por muitos políticos e personalidades. Além disso, na década de 1950, Roma era palco das maiores produções cinematográficas hollywoodianas. A cidade fervilhava com artistas internacionais e paparazzis por todos os lados. Diversas celebridades, como por exemplo Audrey Hepburn e até mesmo Jimi Hendrix, foram até o restaurante do Alfredo para provar o fantástico fettuccine.

O prato hoje faz parte do patrimônio gastronômico tradicional da Itália. É difícil dizer o motivo pelo qual o Fettuccine Alfredo não tenha se tornado popular entre os italianos. Provavelmente seja porque o mesmo era servido em grande parte para a alta sociedade, além de ter se tornado extremamente turístico. Muitas pessoas planejar uma viagem para a Itália, principalmente para Roma, somente pelo prazer de degustar o Fettuccine Alfredo.

Colocando a mão na massa

aprendendo a fazer massa caseira
Ao viajar para a Itália, agende uma aula culinária e coloque, literalmente, a mão na massa

O povo italiano se acostumou a fazer macarrão com suas avós (ou nonnas, em italiano). Em um passado não tão distante, fazer a massa à mão era um verdadeiro ritual diário.

Contudo, grande parte das pessoas não possui mais tempo suficiente para fazer massa fresca todos os dias. Deste modo, muitos acabam comprando massas prontas, deixando para fazer da forma artesanal eventualmente, em eventos de família e feriados.

Mas, para a nossa sorte, é possível fazer uma viagem para a Itália e aprender tudo sobre a arte de fazer uma boa massa caseira “diretamente na fonte”. Além disso, há outras opções, como por exemplo workshops voltados para a confeitaria. Repleta de ingredientes como pistaches, amêndoas e chocolates, por exemplo, a confeitaria italiana também é conhecida pela simplicidade de seu preparo. Sem dúvida, as aulas se tornam uma experiência prazerosa, bem como divertida – além de deliciosa!

Quer fazer uma viagem gastronômica para a Itália? Anote aí:

– Não deixe de experimentar a pizza de Nápoles.

– Deguste uma macarronada na região de Emilia-Romagna.

– Siga a trilha em direção à Toscana e delicie-se com comidas e vinhos incríveis da região.

– Visite o sul do país e faça uma imersão no lado rústico da gastronomia italiana.

– Experimente os clássicos italianos em Roma.

– Na Sicília, mergulhe em uma mistura de sabores do Mediterrâneo.

– Para se refrescar, peça um delicioso e cremoso gelato.

Tagged
Leia mais
topo-pontes

Pontes famosas pelo mundo

Existem inúmeras pontes famosas pelo mundo, que nos encantam tanto pela beleza e imponência, quanto pela história por trás delas. Das mais modernas, como a Golden Gate, em São Francisco, às mais antigas, como as de Veneza e Florença, pontes sempre foram vistas como maravilhas icônicas da arquitetura. Embora suas funções sejam claras e simples, muitas delas são consideradas verdadeiros pontos turísticos. E o melhor: são atrações gratuitas!

Grande parte destas estruturas conseguem se destacar em diversos aspectos, que as distinguem dentre milhares de outras pontes em funcionamento por todo o mundo. Estes aspectos podem ser por conta do tamanho, apelo visual, uso de novas técnicas e materiais, bem como por sua importância histórica e cultural.

Neste artigo, montamos uma lista com 10 pontes famosas pelo mundo, além de uma ponte bônus. Certamente você irá querer incluir ao menos uma delas no roteiro da sua próxima viagem. Confira.

1. Brooklyn Bridge: Nova York, Estados Unidos

ponte1

Inaugurada em 1883, a Brooklyn Bridge conecta Manhattan ao Brooklyn, cruzando o East River. Na época de sua inauguração, a Brooklyn Bridge foi a ponte suspensa mais longa do mundo, transformando-a em um dos pontos turísticos mais icônicos de Nova York, Estados Unidos. A Brooklyn Bridge se destaca por suas duas torres colossais de calcário, granito e cimento, além de uma uma intrincada rede de cabos e fios de aço. A Manhattan Bridge, que fica bem próxima à Brooklyn Bridge, foi construída alguns anos mais tarde, em 1909. Estando na Manhattan Bridge, você conseguirá ter uma visão espetacular da Brooklyn Bridge.

Ao longo do dia, milhares de turistas cruzam a ponte do Brooklyn a pé, enquanto tiram fotos dos arranha-céus e do horizonte espetacular de Manhattan. De acordo com pesquisas, cerca de 4 mil pedestres passam pela Brooklyn Bridge diariamente. A ponte conta com um amplo acesso a pedestres e ciclistas e, inclusive, se torna imprescindível quando os meios usuais para cruzar o rio ficam indisponíveis.

Um dos roteiros preferidos entre os turistas é cruzar a ponte e fechar o passeio na área do Brooklyn conhecida como DUMBO, abreviação para “Down Under Manhattan Bridge Overpass”. Trata-se de um dos pontos mais fotografados na região – uma área totalmente restaurada que tem atraído muitos visitantes, já que é repleta de ótimos bares, restaurantes e lojas. Além disso, oferece vistas privilegiadas do East River e suas pontes, bem como da cidade de Nova York, especialmente durante o pôr do sol. Neste local, é possível tirar a foto mais tradicional de Nova York, com a Manhattan Bridge como plano de fundo no final de uma rua.

2. Tower Bridge: Londres, Inglaterra

ponte2

Inaugurada em 1894 acima do rio Tâmisa, a Tower Bridge se tornou uma das estruturas mais icônicas de Londres, Inglaterra, bem como um dos monumentos mais visitados em toda a Europa. A ponte, que possui 244 metros de comprimento, fica ao lado da também famosa London Bridge.

A Tower Bridge é ornamentada com duas belas torres, que chegam a 65 metros de altura, e são unidas na parte superior através de dois corredores paralelos. O principal fator que motivou a construção da ponte foi aliviar o congestionamento da cidade. Isso porque a London Bridge apenas já não era suficiente para a Londres do século 19, que já naquela época observava um enorme tráfego de automóveis e pedestres.

Entretanto, o projeto gerou uma grande apreensão na cidade, já que a ponte não poderia atrapalhar o fluxo constante de embarcações pelo Rio Tâmisa. Por este motivo, a Tower Bridge conta com duas passarelas móveis em sua parte inferior, que podem permanecer suspensas para que as embarcações maiores possam seguir o fluxo do rio sem nenhum obstáculo.

3. Sydney Harbour Bridge: Sydney, Austrália

ponte-3

A icônica Sydney Harbour Bridge é, sem dúvida, um dos pontos turísticos mais conhecidos e mais fotografados de Sydney, bem como de toda a Austrália. Trata-se da ponte de arcos em aço mais larga (mas não a mais longa) do mundo. A ponte levou 8 anos para ser construída por completo, sendo inaugurada em 1932. Por conta de seu formato arqueado, a Sydney Harbour Bridge foi apelidada carinhosamente pelos locais como “The Coathanger” (o cabide, em inglês).

Desde sua inauguração até os dias de hoje, a Sydney Harbour Bridge tem conseguido atrair a atenção de milhões de turistas que visitam a cidade. Juntamente com a também icônica Opera House, este monumento se tornou um dos símbolos arquitetônicos mais reconhecíveis de toda a Oceania. Os principais eventos da cidade acontecem na área onde a Harbour Bridge está localizada.

Inclusive, durante as celebrações de Ano Novo, a tradicional queima de fogos na Baía de Sydney costuma reunir milhares de pessoas, com a Harbour Bridge sendo o grande destaque da noite. Isto porque grande parte dos fogos são lançados diretamente da ponte, iluminando o céu australiano com um verdadeiro espetáculo de luzes e cores.

4. Ponte di Rialto: Veneza, Itália

ponte-4

A Ponte di Rialto é a mais antiga dentre as quatro pontes que cruzam o Grande Canal de Veneza. No entanto, no passado, esta ponte era o único meio de travessia sobre o canal. Sua importância se dá, principalmente, por conectar o centro da cidade e o famoso Mercato di Rialto. O local é conhecido por oferecer uma grande variedade de queijos, peixes e frutos do mar frescos há séculos.

A construção da exuberante ponte de pedra que vemos hoje em Veneza, na Itália, foi concluída no ano de 1591. A ponte anterior, que inclusive era de madeira, havia sido derrubada em 1524. Diversos projetos, vindos de arquitetos renomados na época, foram oferecidos para a construção da nova ponte. Até mesmo Michelangelo ofereceu uma proposta, mas seu projeto com enfoque no estilo clássico foi considerado inadequado para a obra. Por fim, o arquiteto escolhido foi Antonio da Ponte, que apresentou uma proposta não-romanesca bastante controversa.

A engenharia da Ponte di Rialto foi considerada tão audaciosa para a época que alguns arquitetos previram um futuro desmoronamento da ponte. Entretanto, a ponte desafiou seus críticos, tornando-se um dos principais ícones da arquitetura veneziana até os dias atuais.

5. Ponte Carlos: Praga, República Tcheca

ponte-5

A Charles Bridge, ou Ponte Carlos, é uma famosa ponte de pedra que cruza o rio Vltava na cidade de Praga, República Tcheca. Ao longo de sua alameda, a Ponte Carlos é ornamentada com 16 arcos e 30 estátuas de santos, esculpidas no estilo Barroco. Dentre estas 30 estátuas, sem dúvida a mais famosa é a de São João Nepomuceno, a qual dizem que fornece boa sorte àqueles que a tocam.

A ponte, que é uma das obras mais impressionantes já feitas no estilo Gótico, começou a ser construída em 1357, sob patrocínio do rei Carlos IV. Entretanto, a obra levou cerca de 45 anos, e a inauguração da ponte ocorreu somente no início do século XV.

Nesta época, como era o único meio de cruzar o rio Vltava, a Ponte Carlos era a conexão mais importante entre a Cidade Antiga (Old Town) e a área ao redor do Castelo de Praga. Esta conexão fez Praga se tornar uma rota crucial entre a Europa Oriental e a Ocidental. Hoje, a Ponte Carlos é um dos pontos turísticos mais visitados de Praga. Inclusive, o centro da cidade não seria o mesmo sem a imponente presença deste belíssimo monumento medieval.

LEIA MAIS:

6. Ponte das Correntes: Budapeste, Hungria

ponte-6

A Ponte das Correntes é um dos principais pontos turísticos de Budapeste, na Hungria. Seu nome oficial é Ponte Széchenyi, uma homenagem ao principal apoiador de sua construção, o Conde István Széchenyi. Antes da ponte existir, a única forma de atravessar o rio Danúbio era de barco. Sua inauguração ocorreu em 1849, após 20 anos de obras.

Considerada uma das maravilhas da engenharia moderna, a Ponte das Correntes tornou-se um símbolo de progresso para a Hungria, ligando duas cidades até então separadas pelo Danúbio: Buda e Peste. Além disso, proporcionou um grande avanço na economia do país, bem como na cultura do povo húngaro. Lamentavelmente, durante a Segunda Guerra Mundial, a Ponte das Correntes quase sofreu uma destruição total, assim como todas as outras pontes da cidade. Entretanto, as torres da Ponte das Correntes não foram potencialmente abaladas, o que permitiu sua total reconstrução em 1949.

De cima da ponte é possível ter uma visão panorâmica da cidade, em especial do prédio do Parlamento, que fica no lado de Peste. Já do outro lado da cidade, em Buda, a construção que se destaca de cima da ponte é o magnífico Castelo de Buda, principalmente à noite, quando fica encantadoramente iluminado.

7. Ponte Vecchio: Florença, Itália

ponte-7

A vista pitoresca do centro da cidade de Florença, na Itália, é realçada pela presença de uma de suas mais prestigiadas estruturas – a Ponte Vecchio. A ponte cruza o rio Arno e liga o centro da cidade ao distrito de Oltrarno.

Mesmo tendo sido construída há séculos atrás, esta obra-prima da engenharia medieval continua sendo um dos melhores exemplos do que significou a Renascença Européia, especialmente nesta região da Toscana. Sua construção foi concluída em 1345 e, ao longo de todos este anos, a ponte passou por inúmeras reformas.

Na época de sua construção, o governo de Florença alugava 46 lojas ao longo da ponte para comerciantes de produtos variados, com o propósito de recuperar o dinheiro gasto na obra. Contudo, após o ano de 1442, todas as lojas foram vendidas para açougueiros locais, que alteraram significativamente a aparência da ponte. Nos dias de hoje, você ainda encontrará um comércio movimentado ao longo da ponte, repleto de ourivesarias e joalherias, bem como algumas lojas de souvenirs.

8. Golden Gate Bridge: São Francisco, Estados Unidos

ponte-8

A Ponte Golden Gate, localizada na cidade de São Francisco, Estados Unidos, é uma das maiores referências mundiais do estilo Art Deco, muito popular nos anos 20 e 30. A ponte, construída pelo engenheiro civil Joseph B. Strauss, foi inaugurada em 1937, após sete anos de obras.

A Golden Gate se diferencia das demais em grande parte por conta de um fator pouco comum no mundo das pontes: sua cor. Seu exótico tom alaranjado, por vezes chamado de “laranja internacional”, foi escolhido justamente para se destacar na paisagem, já que frequentemente a região da Baía de São Francisco fica coberta por névoa.

Enquanto alguns podem não se sentir tão inspirados por pontes suspensas com um design mais industrial, como é o caso da Golden Gate, é inegável que a cidade de São Francisco que conhecemos hoje poderia não ser a mesma sem a presença marcante da Ponte Golden Gate. Muitos, inclusive, consideram a Golden Gate a façanha arquitetônica mais icônica não apenas da cidade de São Francisco, mas também de toda a Costa Oeste americana.

9. Ponte de Alcántara: Alcántara, Espanha

ponte-9

A Ponte de Alcántara, construída entre os anos 104 e 106 d.C., é uma ponte de 6 arcos assimétricos que cruza o rio Tejo. Este belo monumento está localizado no município de Alcántara, na Espanha, bem na divisa com o país vizinho, Portugal. Sem dúvida, esta ponte foi um dos grandes feitos da antiga engenharia romana. Construída a mando do Imperador Trajano e executada pelo arquiteto Caio Julio Lacer, a Ponte de Alcántara ligava o então assentamento romano de Cáceres com a histórica província portuguesa de Beira Alta.

Ao longo de sua extensa e rica história, a ponte sofreu muitos danos, em diferentes ocasiões. Por exemplo, em 1214, os Mouros destruíram um de seus arcos menores. Novamente, em 1760, um outro arco foi demolido pelos próprios espanhóis, com o intuito de evitar uma eminente invasão por parte dos portugueses.

Contudo, diante de todos estes acontecimentos, podemos observar que inúmeros esforços foram necessários para que a antiga Ponte de Alcántara conseguisse resistir ao teste do tempo. Mesmo com quase 2 mil anos desde sua construção, a ponte ainda hoje é transitável e continua sendo o grande destaque do local onde se encontra.

10. Pont des Arts: Paris, França

ponte-11

A Pont des Arts, também conhecida como Ponte dos Cadeados, atravessa o rio Sena e está localizada em Paris, na França. A obra, que foi concluída durante o regime de Napoleão Bonaparte no ano de 1804, liga o Institut de France ao Pátio Central do Museu do Louvre (anteriormente chamado de “Palais des Arts”). A ponte passou por diversas modificações no decorrer de sua história. A ideia inicial de Bonaparte era que criassem uma ponte que se assemelhasse a um jardim suspenso, que fosse adornada com flores e repleta de bancos. Desta forma, os pedestres poderiam se sentar e apreciar a paisagem ao redor.

Por volta do ano de 2008, iniciou-se uma tradição de pendurar cadeados nas laterais da ponte, como uma forma de simbolizar o amor eterno entre casais. Por conta disso, ao longo dos anos, o peso extra destes objetos causou um verdadeiro transtorno para a cidade, já que foi detectado que a estrutura da ponte estava começando a ficar comprometida. Então, em 2015, os cadeados começaram a ser removidos, e a Pont des Arts precisou ficar interditada por um tempo.

No ano de 2017, foi realizado um leilão com os cadeados recolhidos na Pont des Arts. O dinheiro arrecadado foi destinado à ONGs, as quais mantém serviços humanitários com os refugiados que são acolhidos no país.

Hoje em dia não é mais permitido prender cadeados nas laterais da ponte, mas este detalhe não impediu que casais apaixonados continuassem a visitar este icônico ponto turístico. Isto porque, de cima da ponte, é possível apreciar uma vista incrivelmente privilegiada desta romântica cidade, bem como de seus belíssimos monumentos.

11. (Bônus) Bow Bridge: Nova York (Central Park), Estados Unidos

ponte-10

A Bow Bridge é uma ponte de ferro fundido, localizada no Central Park, em Nova York, Estados Unidos. A passarela da ponte é feita de madeira de Ipê sul-americano, que muda sua coloração para um vermelho profundo quando está molhada. Além disso, a Bow Bridge é a maior de todas as pontes do Central Park, medindo 26,51 metros de comprimento.

Esta bela ponte é usada como passarela para pedestres cruzarem o charmoso lago que percorre o Central Park, chamado “The Lake”. As cores do bosque que cerca a Bow Bridge (chamado de “The Ramble”) mudam constantemente sua coloração, dependendo da estação do ano. Durante a primavera, por exemplo, os tons rosados predominam, especialmente por conta das cerejeiras que se encontram próximas à ponte. Por outro lado, no verão, a paisagem ganha um destaque extra, já que diversas gôndolas se deslocam gentilmente sobre o lago, levando os visitantes do Central Park em um agradável e convidativo passeio.

Desde sua construção, em 1862, a Bow Bridge consegue exprimir de forma precisa a distinta aura romântica de Nova York. Além disso, é extremamente apreciada, tanto pelos nova-iorquinos, quanto por turistas, casais, noivos e noivas, cinéfilos e, principalmente fotógrafos. Considerada a jóia da coroa do Central Park e projetada pelos arquitetos Calvert Vaux e Jacob Wrey Mould, a Bow Bridge já foi cenário de vários filmes ambientados na Big Apple, como por exemplo Nosso Amor de Ontem (The Way We Were), de 1973, e Tenha Fé (Keeping The Faith), de 2000.

Tagged
Leia mais
1
Olá,
Podemos te ajudar?
Powered by